Inusitada Rosa

Inusitada Rosa

Há tanta gente que não sabe o verdadeiro significado de sentir. Pensam o sentir como algo carnal, desejo, prazer... Um sentir que só existe se houver o toque, a posse, o ver cara a cara. Mas digo, senhoras e senhores, que sentir vai além do que se vê. Você sabe que sente com o coração quando a lembrança da pessoa é mais importante do que sua pele. Quando seus olhos marejam de saudade quando lembra daquele momento bonito, daquela palavrinha que mudou o dia, quando você sente aquele arrepio na coluna quando ouve a voz mesmo que seja ao telefone... Sentir ultrapassa as barreiras do tocar, do calor da pele, da saliva, dos pêlos, da língua entrelaçada uma a outra. Sim, isso é maravilhoso, o prazer que proporciona é inigualável. As pernas bambas, o suor conjunto, os gemidos e sussurros ao pé do ouvido... Mas falo aqui, meus caros, do sentir com o coração, do aprisionamento da sua alma com o carinho do outro ser. Do lembrar constante, do afeto, da preocupação, da cumplicidade, da lealdade. Eu falo do sentir que poucos conhecem, pois nunca se permitiram a tal sensação por medo ou covardia. Abre alas pro teu ser, permita-se viver. Só vive por completo quem sorri, chora, cai, levanta e ama.

quarta-feira, 23 de maio de 2012

ROSA X MULHER...


Não a deixe em céu aberto, a menos que queira bronzear-se.
Se não querendo, não permita que o sol venha ferir essa membrana tênue,
que guarnece tamanha beleza e adorna essa silhueta escultural.
Pela manhã...
como uma rosa vermelha, tome seu corpo e acaricie-o em sentido contrario,
toque sua pele de forma macia... 
sinta a aveludes de seus contornos como se fossem pétalas.
Depois...
regue-a suavemente com águas cristalinas salpicadas de estrelas, abrace-a.
No meio do dia...
leve-a a beira mar, alimenta-a de ternura e afago.
Caminhe...
e tome suavemente suas mãos, e apresente-a ao mundo como uma rainha.
No entardecer em baixo de um Jequitibá tome vinho...
e depois tome os seus lábios, a beije por inteiro, 
roube o seu perfume, enrosque em seus cabelos, sinta a sua alma.
E quando a lua se fizer presente...
leve-a à varanda conte histórias de loucuras e estrelas, 
antes do amor...
Não à trate como opção, a tenha como prioridade.
Estenda sempre tapetes vermelho, ela não anda... desfila.
Ande sempre com purpurina, e aproveite o vento quando ela passar... 
ela brilha, tem que brilhar.
Faça poemas de amor e os sussurre docemente, faça-os dar arrepios,  
seja afável, a tenha em seus braços com ternura.
A cultive como uma flor e a ame como mulher.
Tudo isso são metáforas... em nome do amor.
Se não tiveres coragem para tal loucura...
basta afetuosamente dizer: eu te amo.
E ficar ao lado dela... toda uma vida, 
e amá-la de todas as maneiras.
Ari Mota

Nenhum comentário:

Postar um comentário